.: Itaú quer monitorar conta corrente dos funcionários

A Comissão de Organização dos Empregados (COE) retomou as negociações específicas com o banco nesta terça-feira, dia 30, e criticou duramente a maneira unilateral de impor aos funcionários o termo aditivo ao contrato de trabalho através do Portal de Recursos Humanos do banco, informa o diretor o Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região, Marcelo Abrahão. A Comissão reafirmou que o movimento sindical jamais concordaria com os termos do aditivo, que prevê o monitoramento da conta corrente dos funcionários, o que constitui quebra do sigilo bancário e da privacidade dos funcionários, como também a quitação das verbas rescisórias. Após as discussões o banco afirmou que vai reavaliar juridicamente o documento assinado pelos bancários no portal do RH.

 

A orientação do sindicato é para quem não assinou não deve assinar. Já quem assinou deve aguardar o desfecho das negociações sobre o tema.

 

Auxilio Educação – Os 1.446 bancários que se inscreveram para concorrer às bolsas de estudos de 50% da mensalidade com teto de R$ 320,00, serão atendidos. O acordo prevê a distribuição de 1.400 bolsas, no entanto, dada a pequena diferença, a Comissão de empresa reivindicou e o banco aceitou atender a todos. No acordo permanece o mesmo número de bolsas, 1.400. O banco se comprometeu a fornecer a relação de todos os inscritos até esta 5ª feira dia 01/11.

Também foi solicitado ao banco abrir o próximo processo a partir do mês de dezembro deste ano, com inscrições de janeiro a 29 de fevereiro de 2008.

 

Contratações – Informamos ao banco que o número de funcionários que estão trabalhando nas agências são insuficientes e que os estes estão adoecidos com as metas impostas. O banco vem abrindo agências com um número muito pequeno de funcionários. Por exemplo, agência com um caixa; um coneg; um gerente operacional; um gerente de agência e um assistente.

Tem também a questões de transferências de caixa que fica à disposição para outras agências, para cobrir eventual falta de funcionário ou treinamento para agência nova. Levantamentos dos sindicatos, apontam a ocorrência em todo o Brasil.

 

Banco Boston (Itaubank) - Antes os bancários oriundos deste banco, não pagavam o plano (custo zero), só co-participação. O banco começou a migração para o Plano de Saúde Itaú (Saúde Bradesco), que custa 3,5% do salário (com teto de acordo com a faixa salarial) mais um “upgrade” (diferencial de nível de plano) que pode chegar a R$ 202,22.

O prazo para finalizar a transição é de 18 meses, subindo o percentual em 25% a cada semestre, podendo incluir agregados. O banco informa que não há mais espaço para conversa e que não pode manter dois padrões de plano de saúde. O plano de saúde do banco Itaú tem vários problemas em várias regiões do país e principalmente no interior dos estados.

A COE também solicitou os seguintes itens ao banco: Regulamento do Itaúbank, Estatuto do Banco de Boston, Patrocinadores do Itaubank e as empresas que a compõe; Lista estratificada dos funcionários da Holding, Registro dos acidentes de trabalho em caso de doença ocupacional desde do ano de 2000, Créditos consignados para todos os funcionários.

 

Comitê  de Mulheres -- O Banco criou um comitê de mulheres e a COE quer ter representante sindical para discutir gênero. A COE Itaú reivindicou também outros pontos, como o crédito dos auxílios refeição e alimentação no mesmo dia do pagamento; cartão de crédito para os funcionários com isenção de anuidade ou qualquer tarifa; linha de crédito para os funcionários com juros menores do que os praticados hoje pelo banco. Os representantes do Itaú se comprometeram a analisar as demandas.

 

Vanderlei Zampaulo – MTb-20.124

Youtube

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente