.: Trabalhadores do call center aprovam acordo

Os bancários do call center do Santander aprovaram, por unanimidade, a renovação do acordo coletivo específico para os funcionários desse setor. O acordo tem validade de dois anos (até 2019) e prevê a manutenção das conquistas anteriores e avanços: uma nova regra para o intervalo entre as pausas, que garante períodos maiores entre as pausas break (20 minutos) e extra break (10 minutos), e redução da aderência mínima para atingir a AQO (Avaliação de Qualidade Operacional).

O acordo também é válido para os trabalhadores de call center do Rio de Janeiro, que ainda farão assembleia para validá-lo. Após a aprovação pelos funcionários do Rio, será marcada a data para assinatura entre sindicatos e banco.

Pela primeira vez, a assembleia foi realizada no próprio local de trabalho, o Vila Santander. “O acordo garante direitos para os trabalhadores de um setor que funciona 24 horas e aos finais de semana. Resguarda a esses bancários uma jornada que não ultrapasse 30 horas semanais. E o trabalhador que cumprir jornada aos finais de semana e feriados recebe hora extra, além de uma folga subsequente ao dia do final de semana trabalhado ou a ‘folga referente’ ao feriado”, explica a diretora executiva do Sindicato e bancária do Santander, Maria Rosani.

O dirigente sindical Anderson Pirota também destacou que a conquista se garante com a mobilização e organização dos trabalhadores junto ao Sindicato. “A sindicalização nesse momento é fundamental para contribuir com nossas lutas e defesa dos direitos.”

Na assembleia, os dirigentes sindicais reforçaram aos trabalhadores que o empregador não pode controlar suas idas ao banheiro, e que isso é garantido por lei. “Deixamos claro que o banco não pode, sob hipótese alguma, exercer qualquer mecanismo de controle sobre as idas ao banheiro. E que elas não podem afetar a aderência”, destaca.

Também foi enfatizado que a renovação do acordo assume ainda mais importância diante da reforma trabalhista de Temer, que entrará em vigor no dia 11 de novembro. “Mantivemos direitos conquistados em anos de muita luta e mobilização, o que resguarda os funcionários do call center num cenário muito difícil devido à nova lei [lei 13.467] que protege empregadores e prejudica trabalhadores.”

Rosani destaca ainda que a luta em defesa do trabalho, direitos e contra a terceirização será mantida e reforçada. “Inclusive, uma de nossas principais bandeiras é o reconhecimento, como bancários, daqueles trabalhadores terceirizados que prestam serviços para os bancos. Ou seja, a internalização desses trabalhadores. Para nós, quem trabalha em banco, bancário é.”

SPbancários

.: Veja Mais

Imagem Indisponível

HSBC negocia possível venda de participação em seguradora chinesa

Imagem Indisponível

Bancos cortam 1.864 empregos até fevereiro

Acordo de dois anos evita perdas salariais dos bancários

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente