.: Servidores de estatais terão de dividir custo de plano de saúde com as empresas

Ao longo dos próximos quatro anos, todas as estatais federais deverão implantar um sistema paritário de contribuição nos seus serviços de assistência à saúde. Isso significa que empresas e funcionários terão de dividir, em partes iguais, os custos com a manutenção dos planos de saúde.

A medida está prevista em uma resolução publicada na sexta-feira (26) pelo Ministério do Planejamento. Atualmente, pelo menos parte das estatais federais paga uma fatia maior que a dos servidores no custeio dos planos.

O QUE PREVÊ A RESOLUÇÃO DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

>> Servidores e empresas contribuem com 50% cada um para os planos de saúde

>> Estatal não pagará mais parte da despesa de servidor aposentado com plano

>> Planos de autogestão (geridos pela própria estatal) só para empresas com mais de 20 mil beneficiários

>> Estatais com menos de 20 mil adotam sistema de reembolso ou contratação de serviço empresarial

>> Editais de contratação de servidores para as estatais não deverão prever mais a oferta de assistência saúde

 

Com a paridade, o desembolso das estatais fica menor, ou seja, a mudança deve gerar economia para as empresas. Nesta nova jogada do Governo Temer, bancários e bancárias das instituições públicas Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, BNDES ficam sujeitos ao desmonte diante das novas condições.  “Em menos de dois anos, o governo Temer fez um verdadeiro estrago nas estatais, o número de empresas públicas caiu e o quadro de pessoal também foi cortado, em 43 mil, a maioria por programas de demissão voluntária. Como foi o caso da CEF que promoveu em 2016 e 2017 vários programas deste tipo. Além disso, outros direitos também foram tirados. ”, comenta o dirigente sindical e bancário da Caixa Econômica Federal Ubiratan Campos do Amaral.

Dados do Ministério do Planejamento apontam que, em 2016, o benefício de assistência à saúde dos empregados ativos e inativos correspondeu, em média, a 8% da folha de pagamento das empresas, chegando a R$ 9,2 bilhões.

As estatais não usam um modelo único de oferta de planos de saúde. Os planos podem ser ofertados por autogestão (quando a estatal gere o plano), por reembolso ou por contratação de plano empresarial no mercado.

Aposentados perderão benefício

A resolução também limita a oferta de planos de saúde durante o tempo de vigência do contrato de trabalho.

Com isso, as estatais não vão mais pagar parte das despesas dos planos de servidores após a aposentadoria deles. Essa mudança não vale, porém, para quem já adquiriu esse benefício.

A resolução também traz limitações para planos de autogestão, ou seja, planos geridos pela estatal. Só poderão usar essa modalidade empresas com mais de 20 mil beneficiários.

Para as estatais que tiverem menos que 20 mil beneficiários, será necessário alterar a modalidade de prestação de serviço de saúde, por exemplo, pela de reembolso ou a de contratação de serviço de saúde empresarial no mercado.

Outro ponto aprovado prevê que os editais de contratação de servidores para as estatais não deverão prever mais a oferta de assistência saúde.

Bruna Togni - MTB 81055/SP com informações G1

.: Veja Mais

Greve dos bancários chega ao sétimo dia

Eles podem pagar: The Economist confirma que bancos no Brasil têm lucro alto em qualquer situação

Imagem Indisponível

Estudo derruba mito sobre alto custo da mão de obra no preço dos carros

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente