.: Mulheres da Caixa, uma trajetória de avanços e desafios

Por Rita Serrano

“Em 1857 centenas de operárias morreram queimadas por policiais em uma fábrica têxtil de Nova York (EUA). Elas reivindicavam a redução da jornada de trabalho e o direito à licença-maternidade. Em homenagem às vítimas, no ano de 1911 foi instituída a comemoração de 8 de março, o Dia Internacional da Mulher”

Em 1921 a Caixa se tornou o primeiro banco a contratar mulheres. Mas a grande inovação nas políticas de gênero aconteceu muitos anos depois, quando foi implementado o programa Caixa da Diversidade, em 2005, com o objetivo de orientar políticas e ações destinadas à promoção da igualdade de oportunidades.

 

Houve avanços importantes no período. Depois de 145 anos de existência, a Caixa teve sua primeira presidenta, Maria Fernanda, que assumiu em 2006, fato inédito no conservador sistema financeiro. Em 2015, o banco foi presidido por Miriam Belchior, e se manteve na vanguarda ao assinar acordo para a ampliação da licença-maternidade e para a garantia de benefícios a casais homoafetivos.

Nos programas sociais gerenciados pela Caixa as mulheres também são protagonistas. Um bom exemplo é o Minha Casa Minha Vida, cujos imóveis têm 89% da titularidade feminina.

As políticas voltadas para as mulheres foram fruto dos governos desenvolvimentistas, momento marcante no Brasil, quando depois de mais de 500 anos de história o País teve sua primeira mulher na presidência, Dilma Rousseff.

Mas há muito ainda a avançar. De acordo com dados do Balanço de Sustentabilidade da Caixa de 2016, 45% dos empregados do banco são mulheres e, se somado a estagiárias e prestadoras, esse número chega a 50%.

A desigualdade se revela quando avaliamos a ascensão na carreira: quanto mais alto o cargo, menos mulheres. Hoje, 45% das trabalhadoras da Caixa está na média gerência e 28% na chefia de unidades. Nenhuma figura entre os dirigentes da empresa.

A única novidade nesse cenário foi a eleição, pela primeira vez, de uma mulher para o Conselho de Administração. Sem dúvida é uma conquista para os trabalhadores e em especial para as mulheres, embora represente muito pouco perto das gritantes diferenças.

As dificuldades para as mulheres ascenderem na carreira são inúmeras. Começa com a participação ativa na administração da casa e nos cuidados com a família, junto com uma grande cobrança social. Também precisam superar processos de seleção cercados de subjetividades vinculadas à visão estereotipada sobre sua capacidade.

A História prova que a luta em busca da igualdade e respeito às diferenças vem dando resultados, ainda que lentamente. Mas é preciso fortalecer a utopia de que a busca por um mundo justo, fraterno e digno para mulheres e homens é, na verdade, o único caminho para que as pessoas sejam felizes.

Sigamos juntas nessa direção.

Rita Serrano é representante dos empregados no Conselho de Administração da Caixa, diretora da Fenae e coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas. É mestra em Administração

.: Veja Mais

Bancários protestam contra proposta de independência do Banco Central

Imagem Indisponível

Conselho de Previdência discute retirada de patrocínio de fundos de pensão

Mais de 500 pessoas participaram da Festa Julina dos bancários

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente