.: Manifestações marcam dia nacional em defesa da igualdade de oportunidade nos bancos

Para marcar o “Dia Nacional de Luta pela Igualdade de Oportunidade nos Bancos”, o Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região promoveu manifestação pública nesta terça-feira, dia 14 de julho, na Praça José Bonifácio, seguida de distribuição de jornal informativo à categoria, nas agências bancárias da cidade. No ato público, que teve o apoio de lideranças sindicais da cidade e de membros do movimento negro de Piracicaba, o presidente do sindicato, José Antonio Fernandes Paiva, explicou que esta ação visa iniciar as discussões sobre o tema discriminação no sistema financeiro, que afeta, principalmente, as mulheres, os negros, os deficientes e até os homossexuais, e deverá será um dos principais temas serem abordados na campanha salarial deste ano.
Para o diretor do Sindicato, Marcelo Abrahão, o ato público é uma forma de expor à opinião pública a realidade do que tem ocorrido na maioria dos bancos do País, inclusive em Piracicaba. “A realidade em Piracicaba não é diferente e, com este trabalho, queremos ter a opinião pública a nosso favor, nos ajudando a repudiarmos toda prática de discriminação”, disse.
A vice-presidente do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região, Ângela Isabel Ulices Savian, que também integra o GROS – Gênero, Raça e Orientação Sexual, da Contraf-CuT, destacou que a discriminação está relatada no Mapa da Diversidade, que ouviu mais de 200 mil bancários de todo País, divulgado no último dia 2 de julho, na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados Federais, em Brasília. “Esse levantamento confirmou que existem discriminações contra as mulheres, os negros e as pessoas com deficiência dentro dos bancos, e, inclusive contra homossexuais, apesar de a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) não mencionar esta situação na pesquisa realizada”, ressaltou.
Os diretores do Sindicato tornaram público que o Mapa da Diversidade revela que as mulheres ganham 78% dos salários dos homens e encontram mais obstáculos para a ascensão profissional, assim como mostra que 52% dos bancários são do sexo masculino, enquanto que 77% brancos, e 68% ocupam as funções de caixa ou escriturários. “Apenas 19,5% dos trabalhadores do sistema financeiro são negros ou pardos, que ganham, em média, 84,1% do salário dos brancos. Isso é pura discriminação”, destacou Paiva, que também é vereador pelo PT.
O levantamento, contido no material distribuído nas agências bancárias, mostra, ainda, que a discriminação é ainda maior em relação às mulheres negras, uma vez que somente 8% delas conseguem emprego nos bancos, enquanto os deficientes não conseguem preencher nem os 5% da cota exigida em lei. Já as bancárias que ocupam o cargo de gerentes recebem R$ 30,00 por hora trabalhada, enquanto aos homens no mesmo cargo é pago R$ 40,00.
O presidente do Sindicato dos Bancários também ressaltou que a entidade manterá sua política de combater toda prática de discriminação, uma vez que todos ganham com a inclusão social e a adoção de novas práticas, com garantia de igualdade a todos os bancários. “O nosso sindicato mantém uma política constante de combate a toda prática de discriminação e nesta campanha salarial vamos trabalhar para que possamos conseguir conquistar e ampliar os instrumentos para ajudar a combater esta prática”, destaca Paiva.

Vanderlei Zampaulo – MTb-20.124

.: Veja Mais

Sindicato fecha agência Itaú Piracicamirim no Dia Nacional de Luta contra demissões

Imagem Indisponível

Mesa de negociações permanentes na Caixa será retomada nesta quinta

Imagem Indisponível

BC vê sinais favoráveis para inflação, mas ainda há riscos

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente