.: Justiça do Trabalho remarca audiência sobre contratação de PCDs pela Caixa

Nesta terça-feira (19), a juíza Érica de Oliveira Angoti, da 7ª Vara do Trabalho de Brasília, restabeleceu o prazo para que o Ministério Público do Trabalho no Distrito Federal e no Tocantins se manifeste sobre a defesa da Caixa Econômica Federal quanto à não contratação de concursados com deficiência. O período de mais 10 dias foi concedido em razão de um problema no sistema Processo Judicial Eletrônico (PJe), que prejudicou a notificação do MPT.

Em razão do ocorrido, a audiência de encerramento de instrução, que ocorreria nesta terça, foi remarcada para 12 de setembro. “Nós da Fenae apresentamos a contestação no dia 11 de maio. Agora vamos aguardar a manifestação do Ministério Público. É inadmissível que a Caixa insista no descumprimento da Lei 8.213/91, que determina que empresas com mais de mil empregados tenham 5% dos cargos ocupados por PCDs. Trata-se de uma empresa 100% pública, que deveria dar o exemplo”, afirma o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.

A Ação Civil Pública movida pelo MPT da 10ª Região destaca que, segundo dados apresentados recentemente pelo próprio banco, o índice de trabalhadores com deficiência está em apenas 1,42%. Isso significa déficit de mais de 3.500 pessoas para que a cota mínima seja cumprida. “Enquanto isso, dos mais de 30 mil aprovados no concurso de 2014, quase 3 mil são PCDs. Isso significa que há pessoas aptas a serem contratadas”, diz Fabiana Matheus, coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), que assessora a Contraf-CUT.

Na ACP, a procuradora Ana Cláudia Monteiro argumenta que a Caixa não precisa de autorização do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST) para realizar essas contratações. E ainda: “Quando a Caixa adota a postura de não contratar as pessoas com deficiência, pratica discriminação que atinge o conjunto das pessoas com deficiência, as quais têm sua chance de colocação no mercado de trabalho reduzidas”.

MPT x Caixa

A Caixa Econômica Federal é alvo de duas Ações Civis Públicas: uma pela falta de convocação dos aprovados no geral e outra específica em relação aos deficientes. “Para que o banco continue forte, 100% público e social, que é o que os brasileiros querem, é fundamental que as contratações sejam retomadas e que os empregados sejam devidamente valorizados. Afinal, são eles os grandes responsáveis pelo crescimento da instituição nos últimos anos e pelo protagonismo na execução de políticas públicas importantes”, diz Jair Pedro Ferreira.

Fenae

.: Veja Mais

Bradesco, BB, Itaú e Santander vão unificar caixas eletrônicos

Imagem Indisponível

Comissão da Assembleia aprova projeto que obriga atendimento bancário em 30 minutos

Imagem Indisponível

Funcionários do Banco do Brasil devem responder enquete da Cassi

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente