.: Itaú também inicia implantação da Reforma Trabalhista

Depois do Santander, o Itaú também começou a implantar mudanças prejudiciais aos bancários, respaldado pela nova legislação trabalhista de Michel Temer que passou a vigorar no dia 11 de novembro. Os funcionários do call center lotados no Centro Administrativo Tatuapé (CAT) e no ITM não poderão mais escolher quando entrarão em férias.

Antes, o funcionário indicava três datas, e o gestor selecionava uma para o início do período de férias. Os bancários denunciam que foram comunicados a desconsiderar essa seleção, mesmo os que já haviam apontado as datas. Também foram informados de que o setor jurídico e o RH do banco deliberarão sobre as novas regras para o gozo de férias de acordo com as mudanças embarcadas na reforma trabalhista.

A nova lei determina que as férias poderão ser fracionadas em até três períodos, desde que nenhum deles seja menor do que cinco dias, e serão definidas diretamente entre gestor e empregado, em uma correlação desigual de forças, já que o empregador terá o poder de impor a data que melhor convier ao banco, sob a prerrogativa de demitir o trabalhador que não aceitar os termos determinados pela empresa.

“Resumindo, o banco decidirá e o bancário terá de aceitar. As áreas de call center viraram um barril de pólvora, porque muitos trabalhadores com filhos já haviam escolhido a data para coincidir com as férias escolares e estavam na expectativa, mas com essa mudança unilateral e em cima da hora, tudo está em suspenso. Muitos agora sequer sabem quando e como vão poder tirar as férias”, relata o dirigente sindical e bancário do Itaú Júlio César Silva Santos.

Trabalho aos fins de semana – E as mudanças no call center não param por aí. Sem qualquer negociação com o Sindicato, o Itaú mudou as escalas de trabalho aos finais de semana. Antes, o banco seguia um parâmetro que procurava respeitar dois sábados e domingos seguidos de descanso. Com a nova regra, os bancários terão de trabalhar um final de semana a mais, passando a descansar apenas um final de semana ao mês. Com essa alteração, o banco abriu a possibilidade para o bancário trabalhar até cinco plantões seguidos.

“O banco implantou essa mudança sem qualquer diálogo com o Sindicato, mesmo tendo se comprometido a abrir um canal de negociação sobre este tema, o que não fez, impondo novas regras para uma rotina que já era ruim e ficará ainda pior”, protesta o Dirigente do SindBan Marcelo Abrahão.

.: Veja Mais

Bancários denunciam o desmonte do Banco do Brasil

Presidente do sindicato participa da mesa de abertura da Conferência Interestadual

Imagem Indisponível

Bancários ficam sem assistência após tiroteio na entrada do Bradesco

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente