.: Em visita ao SindBan, Luiz Claudio Marcolino fala sobre o atual momento político do Brasil

30/05/2017 - 12:00

Ex-superintendente regional do trabalho e emprego de São Paulo, Marcolino já atuou como presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo e como Deputado Estadual 

“Quanto mais forte for a classe trabalhadora, os micros e pequenos empresários, maior será a resistência e maiores serão os direitos no futuro”. Para o ex-superintendente regional do trabalho e emprego de São Paulo, Luiz Claudio Marcolino, este é o papel da população neste momento: lutar. O economista esteve na última sexta-feira (26), no SindBan (Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região) e falou sobre o atual momento político do Brasil. Militante desde o movimento estudantil, Marcolino já atuou como deputado estadual de São Paulo e presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. (Confira a entrevista na íntegra)

Para o sindicalista, o Brasil vive um momento ímpar, onde a sociedade começou a perceber que a política faz parte da vida de todos. “A população entendeu que existem modelos de gestão diferentes. Nós tivemos um governo que até 2015/2016 conseguiu trazer uma série de avanços para o nosso país. Um governo que abriu crédito, gerou mais de 23 milhões de novos empregos, investiu em portos, aeroportos, investiu na agricultura familiar, no agronegócio.  Criou condição para o Brasil sair de uma zona de conforto, para se transformar em uma das maiores economias mundial. E temos um governo, que acaba assumindo o Brasil, retirando direitos e querendo mexer na aposentadoria”, comentou.

Além das diferentes formas de gestão, Marcolino explicou como as Reformas Trabalhistas e Previdenciária, propostas pelo Governo Federal, retiram direitos dos trabalhadores. “As mulheres são as mais prejudicadas, o trabalhador rural passará pagar mais tempo, muitos terão dificuldades de se aposentar. Na Reforma Trabalhista teremos o negociado sobre o legislado. O que estamos falando? Negociar diretamente com o seu patrão, e, como sabemos, o empresário tem o poder de contratar e demitir. Então, imagine. Você vai fazer uma reivindicação, com certeza você será demitido ou terá dificuldade de promoção. Imagine você trabalhando em um mercado e trabalho 15 milhões de desempregados, qualquer pessoa vai topar receber metade que você ganha para vir para o mercado de trabalho”, explicou.

Enfraquecimento da militância

O enfraquecimento dos movimentos sindicais e sociais é uma realidade. Para Marcolino, esse é justamente o objetivo do atual governo: desmontar entidades sociais. “Essas instituições são as únicas que estão fazendo resistência ao atual governo, a participação da população nas entidades que defendem o trabalhador, o microempresário, microempreendedor, que defende a classe média, essas pessoas precisam estar juntas. A gente tem um presidente prestes a ter um impeachment, renúncia ou ser cassado no Congresso, estamos os falando de um Congresso conservador e que acabou recebendo propina, de acordo com a ultimas delações, para votar o impeachment e recebem vantagens para votar a favor de uma Reforma que tira direitos dos trabalhadores. Mexer no presidente nacional é importante, mas mexer também em um Congresso Nacional que foi eleito pelo povo, mas que não age para atender a população, tem tanta importância quanto”.

Brasil: um olhar socioeconômico

Desenvolvido inicialmente na cidade de São Paulo, o curso extensivo Brasil: um olhar socioeconômico é uma parceria do Sindicato dos Bancário de São Paulo e universidades da capital. De forma introdutória, o curso explora e sistematiza o debate sobre o projeto de desenvolvimento nacional: a Formação Econômica do Brasil, o movimento sindical e político, conceitos e fundamentos básicos da Macroeconomia, política neoliberal, gestão pública, o Estado e suas funções.

O projeto está sendo estruturado para que seja ampliado para o interior paulista e bairros de periferia. Segundo Marcolino, o objetivo do projeto é fazer com que a população saiba sobre seus direitos e passe a cobrar os órgãos responsáveis. “Hoje nós temos muitos direitos, temos direito a usar o transporte intermunicipal e interestadual, direito a saúde, quando é detectado um câncer, você tem no máximo 15 dias pra começar o tratamento. As pessoas precisam saber como acessar o PIS, pessoas com deficiência podem usar o LOAS, podem comprar um carro com valor menor, com isenção do IPVA. Muitas vezes as pessoas não sabem dos direitos que eles possuem”, comentou.

 

Marina Mattus - MTB: 0083471/SP

.: Veja Mais

Imagem Indisponível

Aditivo do Santander à convenção coletiva será assinado nesta terça

Imagem Indisponível

TST condena empresa por demissão em massa sem negociação coletiva

Pesquisa nacional mostra que 57 pessoas foram assassinadas em assaltos envolvendo bancos em 2012

Pesquisa nacional aponta 57 mortes em assaltos envolvendo bancos em 2012

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente