.: Diga não ao assédio moral

Diga não ao assédio moral

Única forma segura, sigilosa e eficaz de denunciar o assédio moral, uma das principais causas do adoecimento da categoria bancária, é por meio do Canal de Denúncia de Assédio Moral do Sindicato

O dia 2 de maio é o Dia Nacional de Combate ao Assédio Moral, prática que consiste na exposição do trabalhador a situações humilhantes, constrangedoras, repetitivas e prolongadas durante o trabalho como forma de gestão para cobrança de metas e resultados. Essa conduta abusiva, em razão de sua repetição ou sistematização, atenta contra a personalidade, dignidade e integridade psíquica e física da pessoa, ameaçando seu emprego e degradando o ambiente de trabalho.

Pesquisa do portal Vagas.com revelou que 47,3% dos profissionais já sofreram assédio moral. Desses, 87,5% afirmam não ter denunciado a agressão por medo de represálias. Dos que denunciaram à empresa, 74,6% relatam que a denúncia não teve resultado.

Os dados revelam que o assédio moral é prática comum nas empresas, problema que também está fortemente presente nos bancos. Levantamento do Sindicato, feito com cinco mil bancários entre 2016 e 2017, revelou que 30% reconhecem que já foram assediados moralmente. Desses, 74,13% não denunciaram.

“A pressão por metas, parte de um modelo de gestão que incentiva a concorrência predatória, estimula o assédio moral, que leva ao adoecimento. Desde 2013, transtornos mentais ultrapassaram as LER/Dort como principal causa de afastamento do trabalho entre bancários”, destaca a secretária de Saúde e Condições de Trabalho do Sindicato, Olivia Brossi.

“O assédio moral não é uma questão de relações interpessoais. É uma forma de organização que mina a solidariedade e enfraquece os trabalhadores. E, sem dúvida, pode levar ao adoecimento”, reforça a médica pesquisadora da Fundacentro Maria Maeno. 

Denuncia segura é com o Sindicato

O Sindicato disponibiliza aos bancários um canal formal, regulamentado pela Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), para denunciar de forma segura e sigilosa o assédio moral. 

“O Canal de Denúncia de Assédio Moral do Sindicato é a única forma de o bancário fazer denúncias com segurança e sigilo, ao contrário do que acontece nos canais internos dos bancos. A partir da denúncia, o Sindicato tem prazo de dez dias úteis para apresentá-la ao banco, que tem obrigação de apurar e dar retorno em até 45 dias”, explica a secretária-geral do Sindicato, Neiva Ribeiro.

“É importante que o bancário tenha consciência de que não vende sua saúde para o banco, e sim sua força de trabalho. Não pode encarar humilhação e constrangimento como parte da profissão. É um abuso que pode levar ao adoecimento. E a única forma de combater o assédio moral é denunciá-lo”, conclui Olivia Brossi. 

O Sindicato realiza nesta semana atividades de esclarecimento e divulgação do canal de denúncias e prepara o lançamento de um folder explicando o que a entidade entende por assédio moral e a importância de erradicá-lo do local de trabalho. Acompanhe pelo site e redes sociais.

 

FAÇA SUA DENÚNCIA - http://www.bancariosdepiracicaba.com.br/falabancario

 

Bruna Togni - MTB 81055/SP Com informações SP Bancários

.: Veja Mais

CEF tem lucro recorde de R$ 4,2 bi entre janeiro e setembro de 2012

Caixa tem lucro de R$ 4,2 bi entre janeiro e setembro, recorde para o período

Imagem Indisponível

Assinado acordo com a Fenaban; bancos têm até 10 dias para pagar PLR

Maioria ainda não denuncia assédio moral no trabalho, revela pesquisa

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente