.: Caixa paga antecipação da PLR, mas avanços só vieram a partir de 2003

Nesta segunda-feira, 20, todos os empregados da Caixa Econômica Federal receberam a primeira parcela da Participação nos Lucros e Resultados (PLR). Foram creditados 60% do total a que se tem direito, sendo que no banco a PLR é composta pela regra básica da Fenaban, pelo valor adicional e pela PLR Social.

A segunda parcela será paga até março do próximo ano. Importante ressaltar, no entanto, que essa é uma conquista histórica da categoria bancária, que veio com muita luta e que deve ser sempre lembrada e valorizada.

Antes da PLR, mais precisamente até o fim do governo de Fernando Henrique Cardoso e do PSDB, o que existia na Caixa era a chamada PRX. Tratava-se de um plano atrelado ao cumprimento de metas, que deixava a maioria dos trabalhadores sem receber nada e que tinha um caráter discriminatório, fazendo distinção entre o pessoal das áreas-meio e o das agências. O mecanismo foi apenas um entre vários que marcaram a truculência e o desrespeito da gestão dos tucanos.

A Participação nos Lucros e Resultados como se conhece hoje foi conquistada na Caixa em 2003. Aliás, o primeiro ano de governo do presidente Lula foi de muitas mudanças como o reconhecimento da Confederação Nacional dos Bancários (CNB/CUT) - que antecedeu a Contraf-CUT - como legítima representante da categoria, instituição da mesa de negociação permanente e a revogação da famigerada RH 008, que permitia demissões sem justa causa.

Em 2010, no âmbito da Caixa, veio um dos principais avanços: a criação da PLR Social. Ela garante a distribuição do equivalente a 4% do lucro líquido do banco, de forma linear para todos os empregados. É uma forma de reconhecer o esforço e a dedicação de todos os trabalhadores, sem diferenciação, que se tornaram essenciais para o sucesso de programas sociais como Bolsa Família, PAC e Minha Casa, Minha Vida, entre outros. Ano após ano, graças à mobilização dos bancários, a PLR Social tem sido mantida.

No ano seguinte, a presidente Dilma Rousseff assegurou a isenção total de Imposto de Renda sobre a PLR até R$ 6 mil e descontos progressivos a partir desse valor. A medida passou a valer em 2013. Atualmente, devido ao reajuste de 4,5% que entrou em vigor em 1º de janeiro, o limite está em R$ 6.270. Além de trabalhadores de bancos públicos e privados, a isenção vale para petroleiros, metalúrgicos, químicos e urbanitários de todo o país.

Muitos empregados da Caixa, sobretudo os que ingressaram na empresa após 2003, comemoram o recebimento da PLR sem se dar conta do histórico dos últimos 12 anos. Antes, havia uma distribuição de lucros que beneficiava o alto escalão do banco.

Hoje, graças à mobilização dos empregados e à retomada do diálogo entre governo e classe trabalhadora, temos um instrumento mais justo em benefício de todos aqueles que contribuem, diariamente, para uma Caixa mais forte e parceira do Estado na execução de políticas públicas.

Essa, inclusive, é uma reflexão que precisa ser feita nesse momento decisivo para o futuro do país. Não podemos permitir o retrocesso no que diz respeito às conquistas dos trabalhadores, especialmente dos empregados da Caixa. A PLR é apenas uma delas. É hora de avaliar quem realmente sempre esteve do lado da categoria. Quem garantiu avanços tem o caminho para promover novas e necessárias conquistas.

Fonte: Contraf-CUT com Fenae

.: Veja Mais

Imagem Indisponível

Bancos ofuscam entusiasmo com Obama; Bolsas caem

Bancários de Piracicaba participam do Dia Nacional de Luta contra demissões no Santander

Bancários de Piracicaba fazem manifestação contra demissões em massa do Santander

Bancos brasileiros entre os maiores do mundo

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente