.: Bradesco lucra mais de R$ 14 bilhões e fecha 9.234 postos de trabalho

O Bradesco obteve um Lucro Líquido Ajustado de R$ 14,162 bilhões nos nove primeiros meses de 2017. O número representa um crescimento de 11,2%, em relação ao mesmo período de 2016 e de 2,3% no trimestre.

Em contrapartida, a holding encerrou setembro de 2017 com uma redução expressiva de 9.234 postos de trabalho em relação ao mesmo período no ano passado, apesar da incorporação, em setembro de 2016 dos trabalhadores banco HSBC, que tinha aproximadamente 20 mil trabalhadores. Atualmente, o quadro de funcionários conta com 100.622 empregados.

 

O banco anunciou em julho de 2017 um Plano de Desligamento Voluntário Especial (PDVE) e o saldo ainda pode cair mais até dezembro de 2017, tendo em vista que no plano há o prazo de até 180 para p efetivo desligamento. Foram fechadas 492 agências e abertos 6 novos postos de atendimento (PA).

O retorno sobre o Patrimônio Líquido médio anualizado (ROE) ficou em 18,1%, com aumento de 1,9 p.p. em doze meses. Segundo o Banco, o lucro líquido ajustado do período é composto de 70,9% de atividades financeiras e 29,1% de atividades de seguros, previdência e capitalização.

A Carteira de Crédito do banco apresentou queda de 6,7% em doze meses e atingiu R$ 486,9 bilhões. No trimestre a queda foi de 1,4%. As operações com pessoas físicas (PF) cresceram 0,7% em relação a setembro de 2016, chegando a R$ 172,2 bilhões. Já as operações com pessoas jurídicas (PJ) alcançaram R$ 314,7 bilhões, com queda de 10,3% em um ano. Os produtos que apresentaram maior destaque para PF foram o crédito pessoal consignado (11,6%) e o financiamento imobiliário (5,0%). Para PJ, as principais quedas ocorreram na conta garantida (-28,7%) e nas operações no exterior (-22,8%).  O Índice de Inadimplência superior a 90 dias apresentou redução de 0,6 p.p em doze meses, ficando em 4,8%. Já as despesas de provisão para devedores duvidosos (PDD) ampliaram-se em 9,7%, totalizando R$ 19,7 bilhões.

O secretário de imprensa do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e Região (SINDBAN), Aldo Luís Rocha afirma que apesar do lucro o banco e número de funcionários reduzidos por conta do PDVE, o banco está obrigando os gerentes a entrar em contato com os clientes (ex-HSBC) para renovar o cadastro e, ao mesmo tempo, oferecer produtos, mas como a carteira é muito grande gera acúmulo de serviços principalmente pelas incorporações das agencias do HSBC e a meta estipulada acaba não sendo alcançada. Gerando uma pressão maior das regionais por cumprimento de metas, causando adoecimento de seus funcionários e prejudicando o atendimento que realmente os clientes merecem.
"Só que falta pessoal para fazer isso, porque houve exagero no número de demissões e muitas adesões no PDVE, agravando ainda mais a situação nas agências. “O pessoal não estão aguentando esse ritmo que vem sendo imposto”, ressalta Aldo.

A receita com prestação de serviços mais tarifas bancárias cresceu 13,0% em doze meses, totalizando R$ 17,8 bilhões. Já as despesas de pessoal subiram 32,2%, em função, em parte da entrada dos funcionários oriundos do Banco HSBC, adquirido no segundo semestre de 2016, mas também pode ser em parte, reflexo do Plano de Desligamento Voluntário Especial (PDVE), atingindo R$ 16,4 bilhões. Assim, em setembro de 2017, a cobertura dessas despesas pelas receitas secundárias do banco foi de 123,7%.

Contraf-CUT

.: Veja Mais

Primeiro Sócio do Sindicato - Diniz

50 anos do Sindicato dos Bancários terão homenagens, cápsula do tempo e baile

Convenção Coletiva é assinada em São Paulo e bancos antecipam PLR até dia 31

Imagem Indisponível

Inscrições para bolsas de estudo do Santander vão até dia 16

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente