.: Bancos desrespeitam bancários e nada apresentam de remuneração

Em mais uma demonstração de desrespeito e enrolação, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) negou todas as reivindicações apresentadas pelos bancários em relação aos itens de remuneração da pauta da categoria. Na reunião ocorrida nesta segunda-feira, 12, o Comando Nacional dos Bancários, cobrou, entre outros pontos prioritários, reajuste salarial de 12,8% (inflação do período mais aumento real de 5%), PLR de três salários mais R$ 4.500, piso do Dieese (R$ 2.297,51 em junho).

A Fenaban também recusou a valorização do vale-refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta-alimentação e auxílio creche/babá, no valor do salário mínimo, hoje em R$ 545, bem como rejeitou a implantação de Plano de Carreiras, Cargos e Salários (PCCS) e de planos de previdência complementar em todos os bancos. Como se não bastasse, os banqueiros negaram o pagamento de salário substituto e a gratificação semestral de 1,5 salários para todos os bancários.

Essa foi a terceira rodada de negociações da Campanha Nacional 2011. Nas duas primeiras rodadas, foram discutidos os temas de emprego, igualdade de oportunidades, saúde do trabalhador, segurança bancária e questões sociais.

Uma nova rodada de negociação ficou agendada para o próximo dia 20, terça-feira, em São Paulo. A Fenaban prometeu apresentar uma proposta global para a categoria. “Queremos uma proposta concreta para categoria, respeitando as reivindicações, envolvendo remuneração digna, emprego, condições de trabalho, segurança, igualdade de oportunidades”, declara o presidente do Sindicato dos Bancários de Piracicaba e região, José Antonio Fernandes Paiva.

Mobilização cresce em todo Brasil

O Comando Nacional orientou a realização de três dias nacionais de mobilização nesta semana para discutir com a categoria os temas da minuta de reivindicações discutidos nas três reuniões realizadas entre bancários e Fenaban. Novamente a participação é determinante, pois precede a apresentação de propostas pelos bancos.

A postura intransigente dos bancos, que não apresentaram propostas para garantir emprego decente, aposentadoria digna, aumento real, mais empregos, fim da rotatividade e combate à terceirização, dentre outras demandas, está aumentando a insatisfação dos bancários e intensificando a mobilização e a unidade nacional da categoria. Em vista disso, os bancos têm apelado para práticas antissindicais e ameaças de descontar os dias parados em caso de greve, como forma de tentar desmobilizar a categoria que desde 2004 conquista aumento real de salários com mobilização e greves.

Veja o calendário das mobilizações:

Dia 14 - emprego e igualdade de oportunidades

Dia 15 - saúde, condições de trabalho e segurança

Dia 16 - remuneração

Confira o calendário das negociações:

Dia 13 - negociação específica com a Caixa

Dia 13 - negociação específica com o Banco do Nordeste

Dia 14 - negociação específica com o Banco do Brasil

Dia 16 - negociação específica com o Banco da Amazônia

Dia 20 - quarta rodada de negociação com a Fenaban

Dia 20 - negociação específica com o Banco do Brasil

Fonte: Contraf-CUT

.: Veja Mais

Bancários têm nova rodada de negociação com Bradesco nesta terça-feira (26)

Imagem Indisponível

Comando Nacional se reúne nesta quinta para avaliar greve

Imagem Indisponível

Lucro do Bradesco cresce 21,7% e atinge R$ 5,48 bilhões no 1º semestre

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente