.: A autoestima e a capacidade de estar só

13/04/2017 - 13:39

Quando o sindicato nos pediu para escrevermos um artigo sobre mulheres, logo pensei em discorrer sobre esse tema tão comum que vem chegando no consultório, vindo a maioria das vezes por mulheres agoniadas e ameaçadas pela idéia de se verem sozinhas.

Independente de idades, essas mulheres trazem angústias profundas, evitam separações de relações que se legitimaram como fracassadas e preferem se manterem nelas, pelo medo de estarem sozinhas ou só se permitindo romper quando "engatam" em outro relacionamento, assim não permitindo viver o tempo necessário para estarem com sua própria companhia, confundindo estar só com desamparo e solidão.

Winnicott, psicanalista inglês, escreveu em 1957 que a "capacidade de estar só" é um fenômeno altamente sofisticado. Esse tema é difícil de defender nos dias de hoje , pois as pessoas lutam desesperadamente para escapar de qualquer sentimento de solidão.

Essa capacidade é algo a ser conquistado, pois "estar só" está ligado a apreciar a solidão, curtir sua prória companhia, poder usar o silêncio, criatividade ou o próprio ócio pelo simples prazer de estar sozinha.

Hoje em dia algumas mulheres acabam escolhendo viver relacionamentos razos ou destrutivos e mesmo assim se sentem sozinhas, sem parceria, companheirismo ou identificação com o namorado/marido. Quer maior agonia que essa? Ter e não ter!

Winnicott desenvolve a teoria que essa capacidade de estar só se desenvolve bem lá atrás, nas primeiras experiências do bebê, quando seu frágil ego ainda é compensado pelo da mãe. Seria, portanto a capacidade desta em oferecer ao bebê a confiança no existir e na vida, que vai possibilitar a introjeção de um símbolo da própria mãe, carregando a consigo como representação da confiança que tem em si mesmo e no mundo, ou seja, a confiança conquistada à partir de experiências satisfatórias que tiveram em um ambiente inicial é a base para  o desenvolvimento desta capacidade e da auto estima.

A formação da adequada autoestima depende profundamente do olhar amoroso de apreciação por uma pessoa significativa, a mãe, porque nunca é com seus próprios olhos que a criança se vê, mas sempre com os olhos do outro. Dependendo do tipo de olhar ou a falta dele, vai se dando auto estima mais elevada ou não.

Relacionamentos "barulhentos" ou superficiais, podem revelar tambem uma incapacidade de relaxar, de ter um recolhimento necessário para a própria integração da personalidade, mas "estar só" nos dias de hoje tambem pode ser encarado como depressão ou até rótulos como por exemplo: "aquela mulher que não deu certo com ninguem", em uma completa inversão de significados.

A pessoa se cobra para encontrar alguém, afeta diretamente sua autoestima, como se tivesse algo errado com ela e imagina que os outros ao redor pensam o mesmo, ou seja, a julgam como as vezes ela própria se julga. Mesmo em relacionamentos, a mulher com baixa estima, pode vir a se comportar de uma maneira inquietante e ansiosa, em casos mais graves como o Transtorno Borderline, que afeta em maior parte a população feminina, uma simples mensagem enviada que leva minutos para ser respondida já é o suficiente para abalar sua estima, sentindo-se sem importância ou rejeitada pelo outro. Nesses casos, a mulher foi "deixada", vive inconscientemente uma fantasia de que com a separação o outro levou sua autoestima embora, então precisa ter de volta, não o outro e sim sua autoestima e só assim não se sentirá rejeitada e desamparada. Talvez por essa pessoa não exista amor, mas sim necessidade e dependência nesse sentido, pois como se sente desintegrada, fica na dependência que o outro volte, tire a sua posição de rejeição e ilusoriamente vai viver a ideia de se sentir "completa" novamente.

Enfim, se somos capazes de estar só, é porque um dia pudemos experimentar segurança, sustentação e amor, do contrário é necessário buscar construir esse amor próprio. Tem uma frase que desconheço o autor e que gosto muito:

"Para se viver a dois, antes é necessário ser um só!"

Gostar de si mesmo, acreditando nos seus recursos internos e se respeitar, são elementos básicos da definição de autoestima. Ela determina como as pessoas se relacionam com o mundo e seus vínculos.

Muitas mulheres que recorrem a cuidados excessivos, como corpo, cabelo e consumismo de roupas. Essas mulheres por terem grandes dificuldades internas, costumam "olhar para fora" e vivem em uma constante busca de preenchimento de vazios, sendo que a idéia base para estar genuinamente bem, é "olhar para dentro", mas essa proposta é delicada, pois envolve coragem de mergulhar profundamente dentro de si mesmo.

Concluo que uma autoestima elevada, pode trazer para a mulher tranquilidade e um mínimo de sofrimento em situações diversas, tornando-a mais segura, independente do olhar do outro, pois seu olhar para si mesmo é o suficiente para viver e se relacionar.

Os ditados como: "Encontrar a tampa da panela", " Metade da laranja", não fazem sentido no meu ponto de vista, pois torna a mulher mais vulnerável e dependente emocionalmente, precisando de um outro que a preencha ou complete, sendo que se estiver integrada com todos os recursos e valores que tem, não dependerá do outro para preencher buracos e vazios e sim desejará viver vínculos genuínos onde o outro agregue, não complete!

Conquistar uma boa autoestima é descobrir o quanto de recursos incríveis cada uma tem e ser sinônimo de possuir uma vida psíquica saudável, então se cuidem e "olhem para dentro"!

Amanda de Oliveira Vencovsky - Psicóloga Clínica

.: Veja Mais

PCMSO e Reabilitação Profissional são discutidos em mesa de Saúde

Imagem Indisponível

Bancários do Mercantil cobram pagamento de participação nos resultados

Imagem Indisponível

Em assembleia bancários rejeitam proposta da Fenaban

SINDBAN TV

Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente
Reportar erro!
X
Se você encontrou erro neste texto ou nesta página, por favor preencha os campos abaixo.
O link da notícia será enviado automaticamente




Captcha:
Menu
Enviar e-mail para amigo
X



Captcha:
O link da notícia será enviado automaticamente